terça-feira, 17 de setembro de 2013

Reflections of a Skyline


Sabe aquelas coisas que sentimos e consideramos bobas quando gostamos de alguém? Pois então, aqui elas ganham uma forma especial.  Reflections of Skyline é um magnífico texto de um curta metragem britânico que resume em seis minutos o maior sentimento do universo: O Amor.
É emocionante, de uma simplicidade e transparência incomum. 
Diria: intenso em sentimentos... fico sem ar toda vez que leio, ouço, vejo, sinto... vale super a pena. 



"E eu quero brincar de esconde-esconde, te emprestar minhas roupas, dizer que amo seus sapatos, sentar na escada enquanto você toma banho, e massagear seu pescoço. E beijar seu rosto, segurar sua mão e sair pra andar. Não ligar quando você comer minha comida, e te encontrar numa lanchonete pra falar sobre o dia. Falar sobre o seu dia e rir da sua... sua paranóia. 
E te dar CD's que você não ouve, ver filmes ótimos, ver filmes horríveis. E te contar sobre o programa de TV que assisti na noite anterior e não rir das suas piadas.
Te querer pela manhã, mas deixar você dormir mais um pouco. Te dizer o quanto adoro seus olhos, seus lábios, seu pescoço, seus peitos, sua bunda... 
Me preocupar quando você está atrasada, e me surpreender quando você chega cedo. E te dar girassóis e ir à sua festa e dançar. Me arrepender quando estou errado e feliz quando você me perdoa. 
Olhar suas fotos e querer ter te conhecido desde sempre. 
Ouvir sua voz no meu ouvido, sentir sua pele na minha pele, e ficar assustada quando você se irrita. Eu digo que você está linda, e te abraçar quando você estiver aflita, e te apoiar quando você estiver magoada, te querer quando te cheiro, e te irritar quando te toco e choramingar quando estou ao seu lado. E choramingar quando não estou. 
Debruçar-me no seu peito, te sufocar de noite e sentir frio quando você puxa o cobertor e sentir calor quando você não puxa. 
Me derreter quando você sorri, me desarmar quando você rir. Mas não entender como você pode achar que estou rejeitando você quando eu não estou te rejeitando, e pensar como você pôde pensar que eu te rejeitaria. 
E me perguntar quem você é, mas te aceitar do mesmo jeito. E te contar sobre o "tree angel", "o menino da floresta encantada" que voou todo o oceano porque ele te amava. Comprar presentes que você não quer e devolvê-los de novo. 
E te pedir em casamento, e você dizer "não" de novo mas continuar pedindo, porque embora você ache que não era de verdade mas sempre foi sério, desde a primeira vez que pedi.
 Ando pela cidade pensando. É vazio sem você mas eu quero o que você quiser e penso. Estou me perdendo, mas vou contar o pior de mim e tentar dar o melhor de mim porque você não merece nada menos que isso. Responder suas perguntas quando prefiro não responder, e dizer a verdade mesmo que eu não queira, e tentar ser honesto porque sei que você prefere. E achar que tudo acabou, espera só mais dez minutos antes de me tirar da sua vida. Esquecer quem eu sou e me deixar tentar chegar mais perto de você. E de alguma forma, de alguma forma, de alguma forma compartilhar um pouco do irresistível, imortal, poderoso, incondicional, envolvente, enriquecedor, agregador, atual, infinito amor que eu tenho por você."

Ouvindo: Up in the Air - 30 Seconds to Mars

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Aniversário: colhendo os frutos.


Hoje completo meus 31 anos e o que sinto neste momento é que desaprendi o tempo.
Existem anos que a gente nem sente, noites que duram eternidades, centésimos de segundo que significam uma vida inteira.
Tudo é movediço. Não existem verdades absolutas, pessoas absolutas, tempo absoluto.
Viver é desafiar esse relógio inventado pra encurtar a duração das coisas...
Afinal, envelhecer não é ruim. 
Envelhecer é colher, é entender que nunca vamos caber inteiros dentro da gente, que oportunidades não devem ser perdidas, nem experiências, e nem afetos, é perceber que todas as vezes que chamarmos sinceramente pelo amor, ele virá. 
Envelhecer é aprender que muitas coisas nessa vida já vêm prontas e lindas, e que não é preciso enfeitá-las. Algumas pessoas são um bom exemplo disso. Envelhecer é descobrir que nossa casa de verdade, é dentro de alguns abraços.
Sempre achei que envelhecer é para quem merece. Para quem tem fé.
Afinal, o Universo é generoso e estende a infância até encontrar quem a deseje, e faz isso dia após dia... ignorando completamente o tempo.
Porque se a gente souber envelhecer, tempo não existe !
E que o tempo passe assim, como de brincadeira, deixando recordações, vivências, sabedoria... Que venham muitos e muitos anos de vida!